Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website Ajuda de navegação e acessibilidade Web

A DAMA DAS CAMÉLIAS

De ALEXANDRE DUMAS (FILHO) Encenação Miguel Loureiro
©Estelle Valente
Datas e Horários

6 a 22 setembro
Quarta, sexta e sábado, 21h; quinta, 20h, domingo, 17h30

 

Local

Sala Luis Miguel Cintra

Duração

2h45 com intervalo

Preço

€12 a €15 com descontos

Classificação

M/12

Acessibilidade
Língua Gestual Portuguesa Audiodescrição

Conversa com os artistas após o espetáculo
22 setembro, domingo

Descrição

Miguel Loureiro encena A Dama das Camélias, disposto, uma vez mais, a trabalhar um texto que é “património da arte teatral, do seu exponencial romântico, da sua galeria infinda de fantasmas e assombrações”: “Como se pode praticar a cena sem passar por Shakespeare, por Molière, ou por este A Dama das Camélias, de Dumas (filho), sortilégio tardo-romântico que tanto fascínio ainda nos causa, por refundar o gesto, o esgar e a miragem românticos, com a sua plêiade de perdidos, drogados, tísicos, arruinados e com todo o seu grandeur fanado? O que há de excessivo em Marguerite Gautier que ainda nos serve também? Enunciação clara de um insondável estado de alma? Pequeno ensaio filosófico sobre a vertigem da beleza? Hino à decadência do amor? Teatro eroticizado pela polidez romântica? Anatomia de uma heroína no seu século, escrita-veículo para os monstros sagrados do novecento… de que forma nos podemos aproximar deste legado que iconicamente encerra uma época? Respeitá-lo será atraiçoá-lo? O que nos fascina na história desta queda?”

FOLHA DE SALA

São Luiz 125 Anos
1898
A chegada de Eleonora Duse a Lisboa anuncia-se, a 4 de março de 1898, no jornal O António Maria, dirigido por Rafael Bordalo Pinheiro, numa página inteira ilustrada pelo próprio: “Enquanto não a applaudimos a ella, à grande actriz, que com o seu poderoso talento deslumbra e arrebata o mundo inteiro, vamos applaudindo, e também com enthusiasmo, a empreza do theatro D. Amelia. Porque para se escripturar uma artista como a Duse, estando a libra sterlina… a libra e meia da rua dos Capellistas, é preciso ter coragem e ter amor pela Arte!” Na primeira vez em que se apresenta em Portugal, interpreta, entre outras peças, A Dama das Camélias. Nesse dia, o Teatro da Trindade fecha para que os seus artistas possam ir ver Duse ao D. Amelia. Depois da última récita, descerra-se uma placa comemorativa da sua passagem por cá e distribui-se um jornal a ela dedicado, ilustrado por Bordalo Pinheiro. Sobre Duse escreveu-se, no Occidente: “Não foi talvez bem dotada pela natureza, mas fadaram-a as fadas. Terá talvez incorreções, mas essas mesmas são geniaes, como encantadoras as assymetrias do seu rosto. (…) com um simples olhar de seus olhos ligeiramente strabicos, um leve sorriso da bocca feiticeira, um pequeno gesto das suas mãos distinctas, tudo consegue, porque n’ella tudo é eloquente (…). À Duse não se deve fazer criticas, é mulher para ser cantada em verso. Ella subjuga a intelligencia e quanto nos diz fere-nos, direito, no sentimento.”

 

 

Ficha Técnica

Texto Alexandre Dumas, filho Tradução João Paulo Esteves da Silva Encenação Miguel Loureiro Assistência de encenação Leonor Buescu Interpretação Álvaro Correia, António Durães, Carla Bolito, Carla Maciel, Gonçalo Waddington, Leonor Buescu, Miguel Mateus, Miguel Sopas, Rita Rocha, Sonja Valentina, Victor de Sousa (voz off) Cenografia André Guedes Figurinos Catarina Graça Danças Miguel Pereira Desenho de luz Daniel Worm d’Assumpção Produção: Nuno Pratas, com apoio de Manuel Poças e e Vítor Alves Brotas/Agência 25 Apoios Museu dos Coches, Museu de Lisboa, Teatro Nacional São Carlos Coprodução Coprodução: Teatro Nacional São João, Gonçalo Waddington & Carla Maciel Lda e São Luiz Teatro Municipal

VEJA TAMBÉM

Saltar controlos de slides