Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website Ajuda de navegação e acessibilidade Web

Cattivo

Da boca para fora
De Marlene Monteiro Freitas
© Marlene Monteiro Freitas
Datas e Horários

18 a 23 fevereiro
terça a domingo, 17h às 21h

Local

Sala Bernardo Sassetti

Preço

Entrada livre, sujeita à lotação da sala

Classificação

A classificar pela CCE

Descrição

Foi em Bacantes – Prelúdio para uma purga (2017) que a coreógrafa Marlene Monteiro Freitas começou por manipular estantes de partitura. Na instalação Cattivo, em colaboração com André Calado, Andreas Merk , Miguel Figueira, Tiago Cerqueira e Yannick Fouassier, dá-lhes protagonismo. São objetos de pedestal, compostos por partes diversas com dimensões e formas variadas, ligadas entre si através de rótulas, como as marionetas que, por sua vez, são feitas à semelhança do esqueleto animal ou humano. As estantes de partitura são corpos desdobráveis com o propósito de servir de apoio à partitura dos músicos, que tocam ou cantam. A sua forma e função são aparentemente indissociáveis, a não ser quando Marlene lhes atribui novos significados e usos, desde logo extraindo-lhes qualidades antropomórficas. Em Cattivo, as estantes são exploradas até ao limite das suas propriedades expressivas, a capacidade para encarnarem estados emocionais e tomarem decisões, manipulando-se a si mesmas e a outros objetos, constituindo-se como equipa numa comunidade sinfónica, com diferentes instrumentos, ritmos, linhas melódicas… Como palco, jardim ou casa de bonecas, a instalação situa-se entre o vegetal, o animal e o mundo da fantasia. “Sós, no espaço, conseguirão estas estantes convencer-nos da sua performance (…) Quebrámo-las, dobrámo-las, desarticulámo-las, machucámo-las e elas, pelo seu lado, morderam-nos, magoaram-nos, traíram-nos, resistiram-nos. (…) Elas certamente dirão mais, e mais acertado, pelas suas bocas, do que eu alguma vez pude dizer ou direi deste trabalho.”

Ficha Técnica

Equipa Marlene Monteiro Freitas, André Calado, Andreas Merk , Miguel Figueira, Tiago Cerqueira e Yannick Fouassier coprodução BoCA – Biennial of Contemporary Arts, P.OR.K Associação Cultural, Teatro Nacional São João e São Luiz Teatro Municipal     /// BoCA – Biennial of Contemporary Arts e P.OR.K Associação Cultural  são estruturas financiadas pelo Governo de Portugal – Ministério da Cultura/ Direção-Geral das Artes

VEJA TAMBÉM

Saltar controlos de slides