Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website

ESTAR VIVO ALEIJA

Lançamento do livro de Ricardo Araújo Pereira
©Estelle Valente
Este evento já decorreu
Datas e Horários

2 outubro
terça, 18h30

Local

Sala Bernardo Sassetti

Preço

Entrada livre sujeita à lotação da sala

Descrição

A Sala Bernardo Sassetti recebe o lançamento do livro de Ricardo Araújo Pereira Estar Vivo Aleija, das edições Tinta da China, com as crónicas escritas para o jornal brasileiro Folha de S. Paulo. Do elogio do silêncio à crítica ao império dos telemóveis e das redes sociais, passando pela defesa da liberdade de expressão e pela metafísica do pecado, estes textos tanto falam de Cristiano Ronaldo como de Kierkegaard, do Candy Crush como de Flaubert. Pelo caminho, desmonta‑se o mito da auto‑ajuda, discutem‑se problemas de linguagem que só a RAP apoquentam, questionam‑se intolerâncias alimentares contemporâneas e o intemporal complexo de Édipo, levantam‑se questões prementes para os casais de hoje, como a escolha entre ter filhos ou ser feliz para sempre, e pergunta-se que papel desempenha no mundo a pessoa, a gente, o povo e a humanidade.

“Edith Piaf declarou famosamente que não se arrependia de nada. Que sorte. Eu sou o seu rigoroso inverso: arrependo‑me de tudo. Isto que vou fazendo não é exactamente viver. É o rascunho de uma vida. Precisava de outra para passar tudo a limpo e comportar‑me como deve ser. O meu epitáfio será, provavelmente: ´Aqui jaz Ricardo Araújo Pereira, com a mão na testa.´ É isso que vou fazer, parece‑me, mesmo antes de morrer. Levar a mão à testa e dizer, desconsolado: ´Ah. Então era assim que devia ter vivido.´Devia ter feito muitas coisas que não fiz e não devia ter feito a maior parte das coisas que fiz. Os franceses têm uma expressão: L’ esprit d’escalier, o espírito da escada. Serve para designar aquela resposta brilhante da qual a gente se lembra quando já é tarde demais. O orador abandona a tribuna e, no momento em que já vai a descer a escada, ocorre‑lhe o que, de facto, deveria ter dito. Eu terei o espírito da escada aplicado à vida: o espírito da tumba. Suspeito que só saberei viver depois de ter vivido. Só terei espírito quando já for um espírito.”

VEJA TAMBÉM

Saltar controlos de slides