Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website Ajuda de navegação e acessibilidade Web

Sou uma Ópera, um Tumulto, uma Ameaça

Cristina Carvalhal
DR
Datas e Horários

22 setembro a 10 outubro
quarta a sábado, 19h30; domingo, 16h

Local

Sala Mário Viegas

Duração

1h15

Preço

€12 (com descontos)

Classificação

M/12

Acessibilidade
Língua Gestual Portuguesa

10 outubro, domingo 16h

Descrição

Em casa dos meus pais havia um menino que vivia debaixo da minha cama. Ele lançava fogo pela boca. Eu queria voar, como ele, e lançar fogo pela boca. Eram esses os meus desejos mais íntimos, mas eram proibidos, ou eu sentia que eram proibidos. Demorei muito tempo, muito muito tempo, a autorizar-me a mim própria a voar e a lançar fogo pela boca.

 

Uma escritora obcecada pelo funcionamento da mente consciente, a artista-plástica-personagem do romance que está a escrever e Margaret Cavendish, a filósofa-investigadora-romancista do século XVII que lhe assombra os dias, são algumas das figuras evocadas nesta história. Se o discurso artístico pode ser considerado, por natureza, um discurso contra-corrente, porque é que ainda assim, no seu seio, se mantêm e se reproduzem determinados estereótipos? Uma cadeia de associações subliminares que remonta aos antigos gregos, parece continuar a ligar masculino, intelecto, alto, duro, espírito e cultura, por oposição a feminino, corpo, emoção, suave, baixo, carne e natureza. Sou uma Ópera, um Tumulto, uma Ameaça, criação de Cristina Carvalhal, é uma história com outras histórias dentro ou como contar uma história ou sobre a nossa cabeça quando tentamos contar uma história. Uma fantasia, uma paisagem mental, baseada em O Mundo Ardente, de Siri Hustvedt.

FOLHA DE SALA

Ficha Técnica

Criação Cristina Carvalhal Assistência de encenação Alice Azevedo Cenário e Figurinos Nuno Carinhas Interpretação Inês Rosado, Manuela Couto, Rosinda Costa, Sílvia Filipe Adereços João Rapaz Luz Rui Monteiro Som Sérgio Delgado Produção Executiva Sofia Bernardo Coprodução Causas Comuns e São Luiz Teatro Municipal Agradecimentos Ana Luísa Amaral, Pedro Filipe Marques e TEATRO MEIA VOLTA E DEPOIS À ESQUERDA QUANDO EU DISSER /// A Causas Comuns é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal – Ministério da Cultura / Direção Geral das Artes

VEJA TAMBÉM

Saltar controlos de slides
PAIS & FILHOS, DE PEDRO PENIM: ESTREIA A 24 SETEMBRO (+ DATAS EXTRA) ×

Seguindo as diretrizes da DGS, as sessões do espetáculo PAIS & FILHOS estão canceladas até 23 de setembro. A estreia está agora marcada para 24 de setembro, sexta-feira, às 20h, e, a partir desta data, há récitas todos os dias até 3 outubro.

Saber Mais