Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website Ajuda de navegação e acessibilidade Web

Sou uma Ópera, um Tumulto, uma Ameaça

Cristina Carvalhal
DR
Este evento já decorreu
Datas e Horários

22 setembro a 10 outubro
quarta a sábado, 19h30; domingo, 16h

Local

Sala Mário Viegas

Duração

1h15

Preço

€12 (com descontos)

Classificação

M/12

Acessibilidade
Língua Gestual Portuguesa

10 outubro, domingo 16h

Descrição

A partir de 1 de outubro, as salas do Teatro São Luiz voltam a ter lotação de 100%. Há, assim, mais bilhetes à venda para cada sessão.
Não se efetuam trocas de bilhetes, mas é possível a devolução nos espetáculos que se realizam até 18 de outubro caso não se sinta confortável com a reposição da lotação.
Para mais informações, contactar a bilheteira pelo telefone (+351) 213 257 650 ou pelo email bilheteira@teatrosaoluiz.pt

 

 

Em casa dos meus pais havia um menino que vivia debaixo da minha cama. Ele lançava fogo pela boca. Eu queria voar, como ele, e lançar fogo pela boca. Eram esses os meus desejos mais íntimos, mas eram proibidos, ou eu sentia que eram proibidos. Demorei muito tempo, muito muito tempo, a autorizar-me a mim própria a voar e a lançar fogo pela boca.

 

Uma escritora obcecada pelo funcionamento da mente consciente, a artista-plástica-personagem do romance que está a escrever e Margaret Cavendish, a filósofa-investigadora-romancista do século XVII que lhe assombra os dias, são algumas das figuras evocadas nesta história. Se o discurso artístico pode ser considerado, por natureza, um discurso contra-corrente, porque é que ainda assim, no seu seio, se mantêm e se reproduzem determinados estereótipos? Uma cadeia de associações subliminares que remonta aos antigos gregos, parece continuar a ligar masculino, intelecto, alto, duro, espírito e cultura, por oposição a feminino, corpo, emoção, suave, baixo, carne e natureza. Sou uma Ópera, um Tumulto, uma Ameaça, criação de Cristina Carvalhal, é uma história com outras histórias dentro ou como contar uma história ou sobre a nossa cabeça quando tentamos contar uma história. Uma fantasia, uma paisagem mental, baseada em O Mundo Ardente, de Siri Hustvedt.

FOLHA DE SALA

Ficha Técnica

Criação Cristina Carvalhal Assistência de encenação Alice Azevedo Cenário e Figurinos Nuno Carinhas Interpretação Inês Rosado, Manuela Couto, Rosinda Costa, Sílvia Filipe Adereços João Rapaz Luz Rui Monteiro Som Sérgio Delgado Produção Executiva Sofia Bernardo Coprodução Causas Comuns e São Luiz Teatro Municipal Agradecimentos Ana Luísa Amaral, Pedro Filipe Marques e TEATRO MEIA VOLTA E DEPOIS À ESQUERDA QUANDO EU DISSER /// A Causas Comuns é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal – Ministério da Cultura / Direção Geral das Artes

VEJA TAMBÉM

Saltar controlos de slides
Novas Medidas ×

A partir de 1 dezembro e até outra indicação da DGS, de acordo com as novas medidas para acesso a eventos com lugares marcados, é necessário apresentar certificado de vacinação ou recuperação válidos ou certificado de testagem negativo (teste PCR realizado nas 72h antes do espetáculo; teste antigénio realizado nas 48h antes do espetáculo). Para mais informações, contactar a bilheteira pelo telefone: 213 257 650 ou pelo email: bilheteira@teatrosaoluiz.pt

Saber Mais