Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website Ajuda de navegação e acessibilidade Web

Novos conhecimentos

Atividades práticas para profissionais
DANÇA SEM IDADE
Este evento já decorreu
Datas e Horários

19 a 21 novembro

Local

Sala Bernardo Sassetti

Preço

gratuito - inscrições encerradas

Descrição

As atividades práticas do programa Dança sem Idade terão a duração de três dias completos e dirigem-se a profissionais de dança com mais de 40 anos. Têm como objetivo estabelecer um lugar de proximidade, de troca de experiências e trajetórias artísticas que visam a interação e criação de laços futuros.

Em cada dia, haverá uma proposta diferente de trabalho liderada por artistas presentes no festival — Francisco Camacho, Nacera Belaza e Ali Chahrour — que com as suas linguagens e práticas diferenciadas desejam contribuir para a ativação e renovação artísticas destes participantes.

As inscrições estão encerradas.

 

Dança Sem Idade centra-se na questão da idade e do envelhecimento, seja no plano da dança seja num âmbito mais geral no seio da sociedade. A articulação das suas diferentes atividades visa contribuir para a desconfirmação de ideias pré-estabelecidas e ainda pouco contrariadas quanto à idade até à qual se pode dançar, e das expectativas por parte do público quando confrontado com um corpo fora destes parâmetros convencionados.
O projeto coloca em diálogo profissionais da dança com mais de 40 anos e figuras académicas, de vários países, reivindicando espaço e visibilidade para corpos menos jovens e já não no fulgor da exuberância física, mas que com toda a sua experiência e inteligência motora acumuladas podem ainda interpelar e conquistar os públicos.
Contemplam-se três dias de práticas artísticas, abertos à participação de profissionais da dança com mais de 40 anos. Em cada dia, haverá uma proposta diferente de trabalho liderada por artistas com linguagens e práticas diferenciadas entre si, como são Nacera Belaza, Ali Chahrour e Francisco Camacho. Esta diversidade contribuirá para a ativação e reciclagem artísticas destes participantes. No plano da reflexão teórica, promove-se um simpósio com figuras relevantes da investigação académica desenvolvida neste campo, no âmbito internacional, assim como uma conversa após a apresentação de VELHⒶS, com o seu coreógrafo Francisco Camacho e a coreógrafa e investigadora Susanne Martin, num diálogo sobre as suas práticas e perspetivas artísticas, com a moderação da jornalista e ativista cultural Carla Fernandes. VELHⒶS reúne um grupo de profissionais que já dobraram os 50 anos, com a música ao vivo de Sérgio Pelágio, e contando com a generosa participação de habitantes lisboetas com ainda mais idade.

 


 

Nota biográficas

Ali Chahrour nasceu em Beirute, em 1989. Bailarino e coreógrafo, estudou teatro e dança na sua cidade natal e em várias escolas pela Europa. No seu trabalho explora a relação profunda entre o corpo e o movimento, e entre a tradição e a modernidade — inspirado pelo contexto político, social e religioso de Beirute, onde vive e trabalha.

Francisco Camacho é coreógrafo, bailarino, membro fundador e diretor artístico da EIRA. Estudou dança e teatro na Companhia Nacional de Bailado, no Ballet Gulbenkian e em Nova Iorque, no Merce Cunningham Dance Studio, Movement Research, Susan Klein School e Lee Strasberg Theatre Institute. Integra o movimento português de dança contemporânea que teve início no final da década de 80, apresentando-se desde essa altura pela Europa, América, África e Ásia. Vários dos seus solos são hoje obras de referência na história da Dança Portuguesa. Foi galardoado com o Prémio Bordalo, da Casa da Imprensa, e com o Prémio ACARTE/Maria Madalena de Azeredo Perdigão, da Fundação Calouste Gulbenkian. Foi intérprete junto de nomes como Creach/Koester, Alain Platel, Carlota Lagido, Miguel Moreira e Filipa Francisco, e destaca a sua colaboração regular com Meg Stuart. Apresentou espetáculos de dança em coautoria com Mónica Lapa, Vera Mantero, Carlota Lagido, Vera Mota e Sílvia Real, e cocriações com Fernanda Lapa e Miguel Abreu. Realizou intervenções coreográficas para uma obra de Pedro Cabrita Reis, no Museu de Arte Contemporânea de Bona, e para a exposição de Francis Bacon, no Museu de Serralves, a par dos projetos para espaços não-convencionais, Performers Anónimos e Danças Privadas. Ensina regularmente, em Portugal e no estrangeiro.

Nacera Belaza, nasceu em Medea, na Argélia, e vive em França desde a infância. Após ter estudado literatura, entra na Dança como autodidata e cria uma companhia em nome próprio, onde a suas criações surgem como meio de expressão — para se pronunciar e deslindar a complexidade da sua dupla pertença cultural. Procura transformar a dança num mergulho de introspeção, explorando o movimento como um sopro apaziguador, profundo e contínuo, confrontando a perseverança, o rigor, despojando o “ruído ensurdecedor da existência”, interpretando o gesto à luz da sua utilidade inicial. Em França, apresentou-se no Festival d’Avignon, na Biennale de la Danse, em Lyon, ou no Festival de Marseille, com as suas criações a circularem por todo o mundo. Foi distinguida diversas vezes, tendo recebido do Ministério da Cultura francês o título de Chevalier de l’Ordre des Arts et des Lettres e o Prix Chorégraphe (2017), da Société des Auteurs et Compositeurs Dramatique. Desde 2017, a Companhia Nacera Belaza detém o título CERNI – Compagnie et Ensemble à Rayonnement National et International, do governo francês. Nacera Belaza criou uma plataforma de cooperação na Argélia, que lhe permite trabalhar regularmente no seu pais de origem.

Ficha Técnica

Artistas moderadores Francisco Camacho, Nacera Belaza e Ali Chahrour

VEJA TAMBÉM

Saltar controlos de slides
Novas Medidas ×

A partir de 1 dezembro e até outra indicação da DGS, de acordo com as novas medidas para acesso a eventos com lugares marcados, é necessário apresentar certificado de vacinação ou recuperação válidos ou certificado de testagem negativo (teste PCR realizado nas 72h antes do espetáculo; teste antigénio realizado nas 48h antes do espetáculo). Para mais informações, contactar a bilheteira pelo telefone: 213 257 650 ou pelo email: bilheteira@teatrosaoluiz.pt

Saber Mais