Saltar para o conteúdo principal Mapa do Website Ajuda de navegação e acessibilidade Web

Uma Dança das Florestas

De Wole Soyinka
Encenação Rogério de Carvalho
©Neusa Trovoada
Datas e Horários

12 a 23 janeiro
quarta a sábado, 20h; domingo, 17h30

Local

Sala Luis Miguel Cintra

Preço

€12 a €15 (com descontos)

Classificação

A classificar pela CCE

Acessibilidade
Língua Gestual Portuguesa Audiodescrição

23 janeiro, domingo 17h30

Descrição

“I know who the Dead Ones are. They are the guests of the Human Community who are neighbours to us of the Forest. It is their Feast, the Gathering of the Tribes. Their councillors met and said, Our forefathers must be present at this Feast. They asked us for ancestors, for illustrious ancestors, and I said to FOREST HEAD, let me answer their request. And I sent two spirits of the restless dead…”

A Dance of the Forests, Wole Soyinka

 

O Morto e A Morta, trazidos de volta à vida pelo Deus Aroni, chegam à Reunião das Tribos. Erguem-se das suas campas de terra no meio da floresta e pedem àqueles que passam para “aceitarem o seu caso”. O Morto e a Morta, “dois espíritos dos mortos inquietos” que em vida foram marido e mulher, trazem consigo as feridas de um outro tempo, confrontam os seus carrascos num estranho ritual de morte, expiação, desobediência e renascimento. Os quatro mortais que O Morto e A Morta confrontam, carregam o seu passado apesar de não manterem a identidade da sua vida anterior – Rola, uma prostituta que na vida anterior foi Madame Tartaruga; Adenebi, um historiador da corte do Imperador Mata Kharibu, é agora um orador do conselho; Agboreko, foi um adivinho do Imperador Mata Kharibu e nesta vida mantém a mesma atividade; e Demoke, escultor, que outrora foi poeta da corte. O que os precede é também o que determina o seu presente, são o antes e o que se segue, o humano e a floresta. Todos são em simultâneo o que são e o que foram – os mortos e os vivos também. Como uma metáfora botânica devoradora do sentido do mundo, quanto mais se avança na ação mais se recua no tempo.

Ficha Técnica

Encenação Rogério de Carvalho Texto Wole Soyinka Tradução Rita Correia Dramaturgia Rogério de Carvalho, Zia Soares Interpretação Cláudio Silva, Daniel Martinho, Gio Lourenço, Júlio Mesquita, Matamba Joaquim, Miguel Sermão, Vera Cruz, Zia Soares Cenário e Figurinos Neusa Trovoada Música Xullaji Design de luz Jorge Ribeiro Produção Teatro GRIOT Apoios Batoto Yetu, Casa da Dança, Centro Cultural da Malaposta, Junta de Freguesia Misericórdia, Khapaz, Polo Cultural Gaivotas Boavista Coprodução Teatro GRIOT e São Luiz Teatro Municipal /// O Teatro GRIOT é uma estrutura financiada pela República Portuguesa – Ministério da Cultura, Direção-Geral das Artes e Câmara Municipal de Lisboa.

VEJA TAMBÉM

Saltar controlos de slides
PAIS & FILHOS, DE PEDRO PENIM: ESTREIA A 24 SETEMBRO (+ DATAS EXTRA) ×

Seguindo as diretrizes da DGS, as sessões do espetáculo PAIS & FILHOS estão canceladas até 23 de setembro. A estreia está agora marcada para 24 de setembro, sexta-feira, às 20h, e, a partir desta data, há récitas todos os dias até 3 outubro.

Saber Mais